jusbrasil.com.br
21 de Outubro de 2021

Folha de S.Paulo: Cai resistência à adoção de criança negra e mais velha

Folha de SPaulo Cai resistncia adoo de criana negra e mais velha

Sem restrição de cor, sexo ou estado de saúde. Ao preencher o cadastro de interessados em adotar, em 2009, a única exigência do casal Flávia e Thales Schettini era a idade. Eles queriam que a criança fosse mais nova do que o filho Matheus, na época com dois anos.

Ao longo do processo, o casal mudou de ideia e passou a aceitar uma criança com até seis anos de idade.

Enquanto eles atualizavam o cadastro, outros casais faziam o mesmo no país.

Dados do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) mostram que os casais selecionam cada vez menos a cor, o sexo e a idade dos filhos.

Entre 2010 e 2014, a proporção de pretendentes que aceitava só crianças brancas caiu de 39% para 29%. Já a de indiferentes em relação à cor passou de 29% para 42,5%.

Thales e Flávia adotaram há um ano Maria (nome fictício), negra, na época com três anos -ela passou dois à espera de uma família.

Também aumentou o percentual dos que aceitam crianças com três anos ou mais. Em 2010, eram 41% do total de interessados; neste ano, são 51,5%.

Para especialistas, ao menos três fatores explicam a mudança: a participação obrigatória dos candidatos a adoção em cursos oferecidos por ONGs e varas de infância e juventude, o trabalho de grupos de apoio e a maior divulgação do processo.

"Demorou para dar resultado, mas, a cada ano, conseguimos conscientizar mais que não interessa a faixa etária [da criança]. Filho é para a vida inteira", diz Reinaldo Cintra, juiz da coordenadoria de Infância e Juventude de SP.

A mudança de perfil dos futuros pais os aproximam das crianças que estão nos abrigos, já que a maioria delas é negra e mais velha.

Folha de SPaulo Cai resistncia adoo de criana negra e mais velha

DESCOMPASSO

Apesar disso, os requisitos de cor, idade e gênero, somados à falta de estrutura do Judiciário, ainda são apontados para explicar a existência de até seis pretendentes para cada criança apta à adoção.

Para a Corregedoria Nacional de Justiça, o número superior de interessados é positivo. O problema está na existência de crianças "indesejadas" pelos pretendentes.

Das crianças disponíveis para adoção, 78,5% têm mais de dez anos, 77% têm irmãos (e não podem ser privadas do convívio com eles) e 22%, alguma doença.

No país, há 30,9 mil pretendentes na fila de adoção, para 5.456 crianças aptas -sendo 67% pretas ou pardas.

De acordo com o juiz Cintra, sempre haverá interessados em adotar crianças menores. "O sonho de muitos é ter um recém-nascido. Não critico, mas as pessoas precisam saber que demora."

'Tá estranhando? É minha mãe sim', diz garota adotada

Mulher branca escolheu menina negra, mais velha e com dois irmãos, com os quais a criança mantém contato

'Não dá para dizer que não gerou insegurança, mas quando a conheci vi que não tinha razão', afirma mãe adotiva

"Ela veio me ver e fomos ao shopping. A gente brincou tanto que eu me senti da família. No final, eu perguntei se ia voltar para me buscar e ela disse que sim."

É assim que Evelin, 10, descreve o primeiro encontro com a mãe, Aurea Medrado, 46, e a irmã, Mariana, 15.

Um mês depois, a menina, com 4 anos, partia do interior para São Paulo, com uma malinha e uma boneca Mônica. "Ela prometeu. E eu confiei", conta Evelin.

Aurea e o marido, ainda casados na época, fizeram uma adoção tardia (quando a criança já não é mais bebê), inter-racial (a filha é negra; Aurea, branca) e compartilhada: Evelin tem dois irmãos, com os quais mantém contato frequente, adotados por dois casais.

Mas nada com que a família não soubesse lidar. "Teve um dia no mercado em que um senhor ficou olhando para mim e minha mãe. Aí eu falei: Você tá estranhando, né? Ela é minha mãe, sim", conta Evelin, rindo.

A resposta foi um pedido de desculpas, seguido de um "É que sou do interior". Ao que a menina emendou, agora segundo a mãe: "Eu também sou, de onde você é? No seu interior não tem adoção?"

Para Aurea, a espera pela adoção poderia ser resolvida se os pretendentes buscassem menos um perfil idealizado de filho.

"Hoje os candidatos descrevem como é a criança desejada por eles", afirma. "O foco poderia ser invertido: será que posso ser útil para a criança que existe?"

Aos seis anos, Elisa (nome fictício) mudou sua história após ser adotada por Márcia de Paula, 44, e Ailson Katsumata, 56, há um ano.

"Existem ideias preconcebidas. Não dá para dizer que não gerou insegurança. Mas, depois que a conheci, vi que não tinha nenhuma razão de ser", conta Márcia.

NOVA CHANCE

Já o casal Fábia Simões, 39, e Renata Longui, 35, estava decidido: ao preencher o cadastro, não inseriram restrições de cor nem de gênero.

Também aceitavam adotar irmãos de até dez anos.

Passaram-se nove meses até a chegada de Carlos Henrique, 8, que é negro, e Giovana, 7, branca, ambos irmãos biológicos e havia quatro anos em um abrigo.

O longo tempo de espera fez com que o juiz escrevesse na sentença que "a vida deu uma nova chance" para os dois terem uma família.

"Parece que eles sempre foram nossos", afirma Renata.

Folha de SPaulo Cai resistncia adoo de criana negra e mais velha

3 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Acho melhor quando a criança adotada já é um pouco mais velha. Justamente para que ela tenha um pleno discernimento de quem é. quem foi, de onde veio, como era sua vida, como foi no abrigo, as angústias e solidão que experimentou e depois toda a parte boa de ter uma família pois quando se adota bebê, ele não tem essas lembranças, não dá valor a nada, e ainda acha que os pais o adotaram por que "foram trouxas"; que ele "não pediu prá ser adotado". Isso, é claro, quando a família revela a adoção e ainda tem que passar pela novelinha que a maioria dos adotados fazem: aquele xabú, aquele papo de se sentir enganado e ainda a fase de que é revoltado por que foi adotado.. Ninguém merece!

Bom é adotar criança que já tem memórias justamente para que ela analise bem os dois lado da moeda/vida que teve e valorize cada dia mais não só os pais que ganhou, a família, mas também valorizar a si mesmo.

E isso, é coisa rara hoje em dia... continuar lendo

Discordo. Bom seria se a criança não experimentasse o descaso dos pais e familiares.
Que nunca fossem expostas.

Para que geram uma criança se não desejam criar? Existem tantas formas de se proteger.

Também sou contra o aborto. Se gerou, deixe nascer. E cuide para que tenha saúde, mesmo que você não deseje a criança. É uma vida e merece ter uma oportunidade.

Antes de tomar qualquer iniciativa definitiva, busque ajuda. O Ministério Público é responsável e deverá lhe ajudar, apoiando e orientando você. Mas, se por fim, você e sua família não quiserem o filho, entregue no Fórum da sua área ou no Conselho Tutelar. Eles cuidarão de tudo. continuar lendo

Quando pensamos que o mundo está horrível encontramos boas notícias como essa! EStamos precisando reforçar a positividade , as coisas boas que pessoas fazem continuar lendo